Cultura

Cineteatro louletano arranca 2024 com Lura, Albano Jerónimo e dose dupla de teatro do Eléctrico e começa a celebrar os 50 anos do 25 de abril

O Cineteatro Louletano começa o ano de 2024 com um programa cheio, com propostas que abarcam diversas disciplinas artísticas, da música ao teatro, do cinema à dança.

A tradição manteve-se, no dia 1, com dois concertos de Ano Novo promovidos pela Orquestra do Algarve. Sob a direção do carismático maestro espanhol Pablo Urbina, este foi o concerto de celebração de 2024, emocionante e vibrante, em duas sessões com casa cheia.

A 9 de janeiro, após as festas, o regresso do Cinema Francês, no Auditório do Solar da Música Nova, às 21h00. Desta vez com “Les Goûts et les Couleurs” (Os Gostos e as Cores), de Michel Leclerc. Um filme de 2022 que conta a história de Márcia, uma jovem cantora que quer ficar com os direitos da música de um ícone do rock dos anos 70, com quem estava a gravar um álbum. Uma história sobre o bom e o mau gosto, a verdade e a mentira, e sobre o amor. A entrada é, como habitualmente nesta iniciativa da Alliance Française Algarve, gratuita.

A 12 de janeiro, sexta-feira, às 21h00, o Cineteatro Louletano leva à cena uma coprodução que envolve Loulé, através do CTL, o Centro Cultural Vila Flor, de Guimarães, o Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, a Culturgest e a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. Trata-se de “O Meu Amigo H”, peça a partir do texto de Yukio Mishima, adaptada por Albano Jerónimo, Cláudia Lucas Chéu e Ricardo Braun e que conta com Albano Jerónimo num dos papéis. “O Meu Amigo H” é uma peça intensa sobre o poder, a manipulação, a brutalidade do ser humano e a corrupção.

No dia seguinte, sábado, 13 de janeiro, também às 21h00, sobe ao palco uma das cantoras cabo-verdianas mais requisitadas da atualidade: Lura. LURA “Theater Sessions” é um espetáculo concebido para uma tour europeia de teatros, que arrancou a 2 de outubro em Paris, passou pelo Centro Cultural de Belém em Lisboa e agora chega a Loulé. Este novo espetáculo de LURA inclui canções emblemáticas da sua carreira, homenagem a artistas que admira e ainda temas de “Multicolor”, o seu novo álbum, lançado no final do Verão de 2023, através da editora francesa Kuroneko.

A 19 de janeiro, o Teatro do Eléctrico apresenta “Definitivamente as Bahamas”, peça com encenação de Ricardo Neves-Neves. “Definitivamente as Bahamas” é uma peça do dramaturgo inglês Martin Crimp escrita em 1986, com um elenco de duas gerações distintas: um casal sexagenário protagonizado por Custódia Gallego e Marques d’Arede; e uma estudante originária da Galiza, pela jovem atriz galega Cristina Gayoso. Um casal de reformados, Tita e Gui, casados há décadas, falam-nos da sua sala de estar. O casal aluga um quarto a uma jovem estudante, cuja presença põe em cheque toda a normalidade que se tenta fabricar na descrição do quotidiano. Tendo sido originalmente escrita para a Rádio, contém uma forte carga irónica e de humor negro, servida por ritmo vertiginoso e fervilhante. A peça terá quatro sessões: dias 19 e 20 às 21h00 e dia 21 às 17h00 e às 21h00.

A 20 de janeiro um regresso, o de “Menina do Mar”, do Teatro do Eléctrico. A peça, que foi um sucesso na sua primeira vinda a Loulé em 2019, tem várias sessões para escolas, a 18 e 19 de janeiro, e duas sessões para famílias, no dia 20, às 11h00 e às 16h00, no Cineteatro Louletano. Esta adaptação do texto de Sophia de Mello Breyner percorre um universo marítimo e fantástico, com uma menina que vive no mar – mas muito curiosa pela vida em terra – e um menino que vive em terra – mas muito curioso pela vida no mar.

No dia 20, há “Concerto Crescendo” no Auditório do Solar da Música Nova, agora no horário da manhã, às 11h30. O ciclo “Crescendo” acontece nos terceiros sábados de cada mês pelo Conservatório de Música de Loulé – Francisco Rosado, numa forma regular e espontânea de mostrar o trabalho de alunos e professores.  Os “Crescendo” são gratuitos e abertos às famílias e ao público em geral.

Também no dia 20, chega o cinema. Arranca em Loulé a Algarve Film Week, promovida pelo Loulé Film Office (LFO) e que este ano integra a 10ª edição da Monstrare – Mostra Internacional de Cinema Social – evento também organizado pelo LFO. A Algarve Film Week tem, como habitualmente, múltiplas iniciativas para além da exibição de filmes, sejam eles curtas ou longas-metragens. Nesta semana dedicada à 7ª arte, há masterclasses, workshops, encontros entre agentes da indústria cinematográfica e ainda os já habituais prémios Cinetendinha. A Algarve Film Week arranca a 20, e passa pelo Cineteatro Louletano entre os dias 24 e 27 de janeiro.

No dia 28, o Cineteatro Louletano assinala uma vez mais a tradição e recebe o tradicional “Encontro de Janeiras e Charolas”, organizado pela Associação Grupo Amigos de Loulé.  Este encontro valoriza a importância dos cânticos natalícios, bem como das canções ligadas ao Ano Novo e aos Reis, no cancioneiro popular português mantendo viva a tradição oral algarvia.

O mês termina com dança, numa peça dirigida especialmente aos alunos das escolas de Loulé. “50 vezes 25_Coeficiente de Liberdade” é uma peça dirigida por Solange Melo e Fernando Duarte que aborda e (re)pensa as comemorações de Abril: “50 vezes celebrado. 50 vezes repetido. 50 vezes um 25 diferente. Como olhar 50 vezes para o mesmo acontecimento? Como encontro a diferença na repetição? Qual o grau de liberdade nesta repetição da diferença?” –  uma intérprete dá corpo à procura destas respostas onde se encadeiam histórias e diferentes olhares. É no dia 31, às 10h30, no Cineteatro Louletano, para escolas do 1º e 2º ciclos do Ensino Básico.

Com uma programação de referência (que pode consultar no site e nas redes sociais do Cineteatro), recorde-se que o CTL está credenciado pela Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses, integrando ainda a Rede de Teatros com Programação Acessível e proporcionando espetáculos com interpretação em Língua Gestual Portuguesa para Surdos (com “S” maiúsculo são falantes de Língua Gestual Portuguesa) e outros com Audiodescrição, para pessoas cegas ou com deficiência visual.

O CTL é uma estrutura cultural da Câmara Municipal de Loulé no domínio das artes performativas, e um dos promotores da Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e da Rede 5 Sentidos.