Portimão já capacitou mais de mil operacionais de Desfibrilhador Automático Externo

Na data em que se assinala o Dia Mundial da Reanimação Cardíaca, a 16 de outubro, o programa de Desfibrilhação Automática Externa (DAE) implementado pelo município de Portimão, através do Serviço Municipal de Proteção Civil de Portimão, continua a ser uma forte aposta, tendo, desde o início do presente ano, capacitado 825 novos operacionais para operar um dispositivo de DAE, e contando, até ao presente, com 110 ações de formação certificadas.

O programa que arrancou em 2016, através da parceria estabelecida com os Bombeiros de Portimão, enquanto entidade formadora acreditada pelo do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), já formou e capacitou mais de mil operacionais, entre bombeiros e técnicos da autarquia que desempenham funções nas áreas da educação, cultura e desporto, além de profissionais da Polícia de Segurança Pública, da Guarda Nacional Republicana, da Autoridade Marítima Nacional e da empresa municipal EMARP, que se encontram atualmente aptos a utilizar de forma autónoma um aparelho DAE no concelho e, desta forma, contribuir para a diminuição do número de mortes por Paragem Cardiorrespiratória (PCR).

Após a instalação, em 2019, de seis dispositivos de DAE de uso comunitário em locais estratégicos nas três freguesias do concelho (Praia da Rocha, Zonas Ribeirinhas de Alvor e Portimão, Alameda da República, Praça 1.º Maio e Mexilhoeira Grande) e a atribuição de quatro aparelhos DAE aos piquetes das forças de segurança do concelho designadamente a Polícia de Segurança Pública, a Guarda Nacional Republicana e a Autoridade Marítima Nacional, o município tem mantido a sua aposta neste programa, e vindo a dotar igualmente os equipamentos municipais desta valência.

Com o objetivo de dotar os principais espaços públicos do concelho com equipamentos para desfibrilhação por pessoal não médico, entre escolas, equipamentos e edifícios municipais, e garantir a devida existência de operacionais de DAE creditados, encontra-se em curso um processo de implementação deste programa de DAE em mais locais, que conta já com a  autorização do INEM para o Pavilhão Desportivo da Boavista, o Complexo Desportivo de Alvor, o Complexo Municipal de Ténis e Padel de Portimão, a Piscina Municipal de Portimão, o Mercado Municipal de Portimão e o Portimão Arena.

Em vias de certificação e autorização encontram-se os programas para o Complexo Desportivo da Mexilhoeira Grande, o Museu de Portimão e o Pavilhão Gimnodesportivo de Portimão, bem como para o edifício sede da Empresa Municipal de Água e Resíduos de Portimão (EMARP), o edifício sede da autarquia (Praça 1.º de Maio) e o edifício do departamento de Resíduos e Sólidos Urbanos (RSU).

A somar aos 10 aparelhos implementados e disponibilizados em 2019, com a concretização desta segunda fase do programa nos equipamentos e edifícios municipais referidos, a que se somarão as escolas do concelho, o município irá adquirir até ao final do presente ano, mais 25 dispositivos de DAE, num investimento que rondará os 40 mil euros.

De referir ainda que, desde o arranque deste programa, a autarquia de Portimão também adquiriu e entregou 17 dispositivos de DAE aos Bombeiros de Portimão, que são diariamente utilizados no prosseguimento das suas missões, nas ambulâncias e veículos de comando e de combate a incêndios.

Com esta aposta e investimento da autarquia, que ao final do presente ano terá ascendido ao valor de 65 mil euros desde a sua génese em 2016, pretende-se inverter os dados conhecidos a nível nacional: em Portugal ocorrem, por ano, mais de 10 mil casos de morte súbita de causa cardíaca e, em caso de paragem cardiorrespiratória (PCR) todo o tempo conta, sendo que em 57% das paragens cardiorrespiratórias registadas não são realizadas manobras de reanimação, e existe apenas um DAE por cada 10 mil habitantes, pelo que só́ 3% das pessoas que sofrem um PCR em ambiente pré́-hospitalar (fora do ambiente hospitalar) sobrevivem.

Com o programa de Desfibrilhação Automática Externa, o município de Portimão pretende inverter estes números no concelho, dotando os demais equipamentos, escolas e edifícios de aparelhos de DAE, e assegurando a existência permanente de, pelo menos, dois operacionais habilitados no manuseio destes equipamentos diferenciados, no decorrer dos horários de funcionamento dos vários espaços e nos eventos com maior afluência de público. O objetivo é garantir uma intervenção imediata em caso de paragem cardiorrespiratória, numa resposta rápida e assertiva até à chegada dos meios de emergência médica, no âmbito do Sistema Integrado de Emergência Médica.