Apresentação em Loulé do Red Book – Lista vermelha das atividades artesanais algarvias, no contexto do Magalhães_ICC

A cooperação transfronteiriça nesta área específica fundamenta-se nas raízes históricas, patrimoniais e culturais, ligadas aos Descobrimentos, comuns às três regiões, bem como à presença de um tecido produtivo de baixa densidade no conjunto do território da EURO_AAA, onde intervenções destinadas a promover o aparecimento e exploração de iniciativas empresariais do setor das ICC são uma importante mais valia, como tal reconhecida na Estratégia Comum de Desenvolvimento Territorial.

Magalhães_ICC, acrónimo do Centro Magalhães para o Empreendedorismo de Indústrias Culturais e Criativas, pretende estabelecer uma rede de cooperação transfronteiriça destinada a consolidar e a promover a oferta cultural inovadora no seio da EURORREGIÃO Alentejo-Algarve-Andaluzia (EURO_AAA). Prevê-se a criação – construção/adaptação e equipamento – do Centro Magalhães, em Sevilha, considerado a “sede”, localizado na Fábrica Real de Artilharia de Sevilha e dos Centros Magalhães, compostos por vários Polos, no Algarve e no Alentejo. O projeto pretende ainda recrear a Rota efetuada por Fernão de Magalhães na primeira circum-navegação do globo, assinalando assim os seus 500 anos.

Trata-se de um projeto co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FEDER através do Programa Interreg V-A Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020 (0752_MAGALLANES_ICC_5_E).

Retomando as raízes históricas, patrimoniais e culturais, a região do Algarve destaca a importância de se valorizar o “saber-fazer” ancestral e da necessidade de salvaguarda do artesanato tradicional e das técnicas que estão em maior risco de serem perdidas, através das

(1) Lista de Artes e Ofícios Desaparecidos,

(2) Lista do Património Cultural Imaterial (PCI) do Algarve a Necessitar de Salvaguarda Urgente e a

(3) Lista Representativa do Património Cultural Imaterial (PCI),

Importante destaque para a metodologia adoptada, orientada pela Comissão Científica constituída para este efeito, que reúne representantes das Entidades relevantes para o Património Cultural Imaterial (PCI).

As listas elaboradas guiam-se pelos procedimentos estabelecidos pela UNESCO, com a vantagem de estas manifestações de PCI poderem futuramente ser inscritas no inventário nacional, o único instrumento de proteção legal deste património, ou seja, da perspetiva da Região dispomos já de sólida base para submetermos à DGPC para o Inventário de Património Imaterial do Algarve.

Se do ponto de vista da metodologia tudo aponta para um processo inicial de preparação de contributo para o Inventário os resultados têm a robustez necessária resultante das entrevistas a 176 artesãos, 16 autarquias e 5 instituições (associações de artesanato) que colaboraram com dados.

Uma palavra de apreço à equipa da Proactivetur que ganhou o concurso e realizou o trabalho de entrevistas no terreno e coligiu os elementos que hoje são o RedBook.

A ideia de realizar uma Lista Vermelha das Atividades Artesanais Algarvias surgiu do relatório que o Reino Unido realizou em 2017 (e atualizou em 2019), intitulado “The Radcliffe Red List of Endangered Crafts”, da responsabilidade da “The Heritage Crafts Association”, onde apresenta a lista das artes consideradas como “craft heritage” e as classifica quanto ao seu grau de risco, inspirado na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) das espécies ameaçadas, que avalia os riscos de extinção de milhares de espécies e subespécies existentes na natureza, com o objetivo de informar sobre a urgência das medidas de conservação que se devem tomar, na tentativa de inverter tendências de extinção.

O Red Book, prossegue a linha do projeto TASA – Técnicas Ancestrais Soluções Atuais, marca registada detida pela CCDR-Algarve, entidade promotora deste projeto inovador de Artesanato e Design que visa “Afirmar e Divulgar a Atividade Artesanal como Profissão de Futuro”, e que junta a inovação – design de novos produtos – à tradição, ao utilizar materiais e técnicas artesanais, saberes que têm vindo a ser transmitidos de geração em geração e resultam em produtos utilitários com uma estética contemporânea de reconhecida aceitação.

O RedBook promove o “saber-fazer”, contribuindo para a implementação do Programa “Saber Fazer” (publicado por RCM 89/2020 em setembro de 2020), valorizando os artesãos e a produção artesanal tradicional, que pela sua relação equilibrada com o ambiente, escala de operação e respeito pela cultura, desempenha um importante papel ao nível da concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.

22 de junho 17h00 nos Banhos Islâmicos em Loulé