Arena de Portimão recebe a primeira mão do apuramento para o Mundial de Andebol

Arena de Portimão recebe a primeira mão do apuramento para o Mundial, frente à congénere neerlandesa, esta quinta-feira, às 19h00.

Os Países Baixos são uma equipa que tem fluidez no ataque, procurando bastante os duelos diretos e o ataque rápido, o que acabou por causar bastantes dificuldades a Portugal, no último encontro, em janeiro passado, relativo à fase de grupos do EHF Euro 2022. Os Heróis do Mar, com oportunidade para passar ao Main Round, acabaram por desperdiçar a ocasião, mas pretendem agora reescrever a história e garantir o triunfo nos primeiros 60 minutos deste play-off.

Rui Silva, cérebro dos Heróis do Mar, acredita que Portugal está num momento bastante diferente e que conseguirá ultrapassar este adversário já na quinta-feira: “Acho que não estivemos no nosso melhor, por isso, acredito que quinta-feira vamos fazer um jogo superior, tanto a nível defensivo como a nível ofensivo. Também o facto de termos neste momento tanto o Belóne Moreira como o Francisco Costa ajudam bastante no ataque porque no Europeu acabámos por adaptar jogar com o Fábio Magalhães e com o Miguel Martins no lado direito. Por isso acredito que vamos estar num nível superior àquele que tivemos no Europeu.” – destacou.

Também Gilberto Duarte, lateral esquerdo da equipa das Quinas, partilha da mesma opinião: “Portugal irá estar melhor até porque agora temos mais tempo para preparar este jogo, focados num só adversário. Temos a noção que será um jogo em que será necessário correr muito mas temos atletas capazes de igualar essa velocidade trazida pelos Países Baixos mas estamos preparados.” – assinalou o atleta algarvio que jogará em “casa” neste apuramento. Sobre as ausências de André Gomes, Alexandre Cavalcanti, Daymaro Salina e Salvador Salvador, Gilberto acredita que “existe um grande leque de atletas disponíveis para representar Portugal e com capacidade para colmatar essas ausências.” – terminou.

O central assume ainda a responsabilidade de estar no Mundial: “Tivemos a sorte de, em 2020, não termos tido essa qualificação, mas faz parte. Partimos para este jogo 50/50, com duas seleções num bom momento, nós acabámos por fazer com a Suíça um bom play-off, por isso, aparecemos aqui fortes e com vontade de estar presentes no Campeonato do Mundo” – afirmou.

Fonte: FAP