Comissão Europeia volta a distinguir o Algarve como Centro de Referência para o Envelhecimento Ativo e Saudável

O Algarve foi novamente distinguido pela Comissão Europeia como um Centro de Referência para o Envelhecimento Ativo e Saudável, agora com classificação máxima de 4 estrelas. A cerimónia de distinção decorreu hoje, dia a 10 de outubro, em Bruxelas.

Durante a cerimónia, Sandra Pais, docente da Faculdade de Medicina e Ciências Biomédicas da UAlg e coordenadora do Algarve Active Ageing – Centro de Referência para o Envelhecimento Ativo e Saudável / EIP – AHA, apresentou uma comunicação intitulada “Training Nursing Home Professionals to work in context of the pandemic”. Aquiles Marreiros, representante da CCDR-Algarve, também participou numa mesa-redonda subordinada ao tema “Alinhar políticas e prioridades regionais para o desenvolvimento de ambientes inteligentes, saudáveis e amigos das pessoas idosas”. 

Da região do Algarve estiveram ainda presentes na cerimónia o presidente do ABC, Nuno Marques, a vice-presidente da Camara Municipal de Castro Marim, Filomena Sintra, e o presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo.

Em 2019, a Região do Algarve já tinha sido distinguida como Centro de Referência para o Envelhecimento Ativo e Saudável, reconhecida pela Parceria Europeia para a Inovação no Envelhecimento Ativo e Saudável (EIP – AHA) da Comissão Europeia. Em 2022 vê, assim, renovado o reconhecimento, passando de 1 estrela (2019) para a pontuação máxima de 4 estrelas (2022). 

Este reconhecimento resulta da candidatura coordenada por Sandra Pais, docente da Faculdade de Medicina e Ciências Biomédicas da Universidade do Algarve, em nome da Região, no âmbito dos Projetos CENIE e PSL (projetos INTERREG V-A, Espanha-Portugal – POCTEP, 2014-2020, financiados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional – FEDER), e liderada conjuntamente com a CCDR-Algarve.

Algarve Active Ageing-A3 é um consórcio de inúmeras organizações na ótica da hélice quadrupla (academia, governança, empresas e sociedade civil), que trabalham de forma colaborativa no desenvolvimento de soluções inovadoras que possam ter impacto nas populações. Este consórcio é um catalisador para a criação de sinergias positivas entre os diversos parceiros, com o objetivo de estabelecer uma abordagem abrangente e baseada na inovação para o envelhecimento ativo e saudável na Região do Algarve.

O reconhecimento máximo de 4 estrelas foi conseguido com base nas boas práticas que as diversas entidades regionais desenvolveram no âmbito da promoção do envelhecimento ativo e saudável, reunidas no Prémio de Boas Práticas 2022 Algarve Active Ageing – A3, que decorreu no dia 18 de março e contou com 55 boas práticas de 167 promotores e copromotores dos 16 municípios do Algarve, distribuídas por quatro categorias: saúde, território inclusivo, coesão e participação social e economia grisalha. 

É importante destacar o papel que os programas Portugal Inovação Social, Cresc Algarve, Portugal 2020 e Poctep tiveram no financiamento de muitas das boas práticas bem como dos municípios da região que são cofinanciadores de muitas delas. 

ABC – Algarve Biomedical Center foi igualmente um elemento chave no apoio ao envelhecimento ativo e saudável, nomeadamente pelas múltiplas respostas que propulsionou no combate à Covid-19, que permitiram que a região do Algarve tivesse uma das melhores respostas a nível nacional e que muitas das boas práticas implementadas na luta contra a pandemia fossem replicadas por outras regiões, aspeto fundamental na avaliação para a obtenção da classificação máxima. Adicionalmente foi muito valorizado o papel que o ABC teve na criação dum site para o centro de referência (https://www.algarveactiveageing.pt), a criação da REPENSA – Rede Portuguesa de Envelhecimento Saudável e Ativo (https://repensa.pt) e o Observatório Nacional para o Envelhecimento.

Segundo Sandra Pais, coordenadora da candidatura, “o desafio de manter o trabalho e sinergias entre as diversas instituições regionais mantem-se, centrando-se sempre na premissa de trabalharmos em conjunto, academia, governança, empresas e sociedade civil, para encontrar novas e melhores respostas e serviços para a população do Algarve, que respondam às suas necessidades ao longo do ciclo de vida”.