Já começaram as obras da ciclovia que vai ligar Castro Marim à Praia Verde

Já estão em curso as obras da ciclovia que ligará a vila de Castro Marim à Praia Verde, um investimento estimado em cerca de 900 mil euros. Localizada na EN 125-6, a via de acesso à freguesia de Altura e à EN 125, esta ciclovia terá uma extensão de cerca de 5km e a sua criação será paralela ao lançamento de uma empreitada para repavimentação integral da via. Seria desejável que a rotunda da Praia Verde fosse feita em simultâneo pelas Infraestruturas de Portugal, atendendo a que o remate da ciclovia é precisamente pensado em conformidade com o projeto da rotunda. 

Esta é uma obra enquadrada no PO CRESC Algarve 2020, cofinanciada a 50% pelo FEDER, no âmbito do PAMUS (Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável). No entanto, os trabalhos inerentes à valorização da EN 125-6 não estão incluídos neste financiamento, por não se enquadrarem no plano de ação do mesmo, sendo ainda objeto de candidatura ao Empréstimo Quadro do BEI.

Este é o 2º troço de um projeto integrado de sustentabilidade ambiental que o Município de Castro Marim promove como Triângulo Verde: Vila Real de St. António – Castro Marim – Praia Verde. A ciclovia que fechará o circuito será um troço da Ecovia do Litoral e do EuroVelo, promovida pela CCDR – Algarve e pela AMAL.

A criação de novas infraestruturas cicláveis enquadra-se nas políticas ambientais e de sustentabilidade do Município de Castro Marim, que tem estado a trabalhar também na senda da descarbonização e da eficiência energética. Em concurso está a execução de Iluminação Solar da Ciclovia da Lezíria (1º troço do Triângulo Verde), uma intervenção avaliada em 310,000.00 euros, enquadrada no PO CRESC Algarve 2020, no âmbito do plano de ação PADRE, aprovado para o Baixo Guadiana na operação READY, apoiada por Portugal e União Europeia, cofinanciado a 70% pelo FEDER.

Consciente de que todas as ações importam, Castro Marim quer demonstrar a importância da sua ação na mitigação dos efeitos das alterações climáticas, tal como investir numa nova cultura económica e social de menor consumo, maior reutilização e maior respeito.