Carnaval “alternativo” em Loulé dinamiza comércio local

Este ano o desfile de Carnaval em Loulé volta a estar suspenso mas, para assinalar este evento tão importante para a cidade, a Câmara Municipal de Loulé criou um programa alternativo de animação para o período entre 24 de fevereiro e 3 de março.

Sob o tema “Carnaval de Loulé a fugir do bicho”, pretende-se criar alguma dinâmica na cidade, em termos de comércio e do próprio espírito folião, resgatando um pouco do que costuma ser a vivência de Loulé por estes dias, em que tradicionalmente toda a comunidade local se envolve numa grande festa que já é parte da identidade louletana.

À semelhança do que sucedeu em 2021, ano em que o desfile foi igualmente cancelado devido à pandemia de COVID-19, a Avenida José da Costa Mealha receberá dois carros alegóricos que estarão em exibição para que todos os que aqui passarem possam apreciar um pouco do trabalho artístico que é feito na Oficina do Carnaval e da essência do maior cartaz turístico do Algarve durante esta altura do ano. 

O ex-responsável pela task-force da vacinação, o Vice-Almirante Gouveia e Melo, será a figura de proa de um dos carros – aqui transformado no “Navio Escola Sagres”. De forma criativa e brincalhona, com uma pitada de sátira política à mistura, será prestada homenagem a este homem que foi o principal herói no combate à COVID-19 no nosso país.

Também no Largo Afonso III será colocado um carro alegórico, enquanto que na Cerca do Convento e no Largo de S. Francisco serão criados elementos decorativos alusivos à quadra festiva. Todos estes apontamentos têm como objetivo recordar que Loulé é terra de Carnaval e que o seu corso é o mais antigo do país, com cerca de 116 anos de existência. 

Na segunda-feira, dia 28 de fevereiro, pelas 21h30, será a vez do tradicional Baile de Carnaval que, pelo segundo ano, decorrerá em formato online. Com emissão a partir do Auditório do Solar da Música Nova, será transmitido através das plataformas da Autarquia (Facebook e Youtube) e contará com a animação musical do grupo Fora D’Horas. A partir de suas casas, os foliões poderão dar um pezinho de dança e aproveitar este momento musical. E porque este evento é também feito para recordar e homenagear aqueles que, de alguma forma, estiveram ligados à organização da grande festa de Carnaval à louletana, o baile será dedicado a Feliciano Guadalupe, músico que ao longo dos anos participou de forma intensa nestas festividades e que faleceu recentemente. 

No Domingo Gordo (27 de fevereiro) e na Terça-Feira de Entrudo (1 de março), os foliões poderão desfrutar da iniciativa “Carnaval a Passear”. Um autocarro com música de Carnaval e um grupo de animação irão percorrer as principais ruas da cidade, levando o ritmo, as cores, a boa disposição, alegria e todo o espírito folião à população e a quem está de passagem pela cidade. 

Este será, de resto, um complemento ao comércio e é precisamente para promover a atividade comercial e apoiar os lojistas que está já em marcha uma campanha de incentivo ao comércio local. A par da produção de um catálogo, serão atribuídos vouchers por cada 10€ de compras realizadas, que depois de devidamente preenchidos, habilitarão a um sorteio em vales de compras no comércio local. O sorteio realizar-se-á a 24 de março.

Por outro lado, os comerciantes foram também desafiados a decorar a rigor as montras dos seus estabelecimentos. Com o apoio do espólio de fatos e adereços de Carnaval do Município, já é possível ver nas lojas da Praça da República e da Rua 5 de Outubro (“Rua das Lojas”), alguns dos trajes que fazem parte da história do Carnaval de Loulé.

No sábado (das 10h00 às 17h00) e domingo (14h00 e as 17h00), 26 e 27 de fevereiro, na Avenida José da Costa Mealha, decorrerá o “Mercadinho de Carnaval”, iniciativa que contará com dezenas de expositores de artesanato e produtos agroalimentares, que trazem à cidade as tradições serranas algarvias. Aqui os reis da festa são os artesãos e produtores locais, com a venda de produtos em empreita, latoaria, cortiça ou couro, os tradicionais licores e aguardentes de medronho ou os enchidos da Serra do Caldeirão.