Dia Mundial da Conservação da Vida Selvagem balanço da GNR/SEPNA

Ontem, dia 4 de dezembro, celebrou-se o Dia Mundial da Conservação da Vida Selvagem, que constitui uma importante data para sensibilizar, refletir e agir contra as ameaças ao equilíbrio da biodiversidade da vida selvagem do planeta. Nesta senda, a Guarda Nacional Republicana (GNR) alerta para esta temática tão importante, uma vez que o comércio ilegal de vida selvagem rivaliza em termos de números com o tráfico de armas e de drogas.

A Guarda Nacional Republicana constitui-se como polícia ambiental, em todo o território nacional, através do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) que, durante mais de duas décadas, desde a sua criação em 2001, fortaleceu a GNR como uma “força próxima, humana e de confiança” na salvaguarda dos valores naturais e ambientais, numa perspetiva de alcançar uma melhor segurança e bem-estar para os seres humanos, para a vida selvagem e para biodiversidade.

Ao longo de 2021, destacam-se alguns números que refletem o zelo permanente da GNR pela vitalidade da fauna e flora:

– 2.841 animais selvagens resgatados/apreendidos, onde se destacam as aves;

– 140 detenções por crimes contra a vida selvagem (nos quais se incluem a caça furtiva, os maus-tratos a animais de companhia, e o tráfico de espécies protegidas);

– 2.385 autos de contraordenação levantados a infratores que danificaram habitats naturais.

Neste âmbito, importa ainda destacar uma operação que decorreu, no dia 3 de novembro, no concelho de Vila do Conde, que ilustra a intervenção da GNR, como polícia ambiental, numa investigação de crimes de danos contra a natureza, em que foram desenvolvidas diversas diligências policiais. Esta investigação culminou na realização de sete buscas, duas domiciliárias, uma em armazém, uma em estabelecimento comercial e três em veículos, resultando na identificação de dois homens, com idades entre os 49 e os 70 anos, tendo um deles sido detido e constituído arguido, pelo crime de crimes de danos contra a natureza.

No seguimento desta ação foi possível apreender o seguinte material:

·         1.328 aves de espécies protegidas no âmbito do CITES;

·         66 gaiolas;

·         Diversas armadilhas para captura ilegal de aves autóctones;

·         179 medicamentos de uso veterinário de proveniência ilícita;

·         93 embalagens de alimentação animal em situação irregular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.