Plano nacional das artes comemorou 2.º aniversário em São Brás de Alportel

A estrutura de missão do Plano Nacional das Artes (PNA) assinalou em São Brás de Alportel o seu 2.º aniversário de trabalho em prol da promoção da transformação social, mobilizando o poder educativo das artes na vida dos cidadãos, em particular das crianças e dos jovens.

A visita ao centro do Algarve começou pela Casa Memória da EN 2, onde o Comissário Nacional do Plano teve oportunidade para conhecer um pouco sobre a história da mais longa via de Portugal e sobre o concelho que gosta de dizer “ter nascido à beira do caminho”. O grupo seguiu depois para o Museu do Traje, espaço ex-líbris da cultura do concelho, tendo a visita culminado na Escola Básica EB 2,3 Poeta Bernardo de Passos onde foi possível conhecer uma mostra de trabalhos e projetos realizados pelos alunos são-brasenses.

O programa do 2.º aniversário do Plano Nacionais das Artes passou também por Faro, Lagos, Loulé, Olhão e Portimão, tendo incluído visitas a lugares patrimoniais e encontros com municípios, 15 agrupamentos escolares da região que integram a rede do PNA, instituições e associações culturais da região assim como apresentações públicas da estratégia do Plano Nacional das Artes.

O Comissário Nacional do Plano Nacional das Artes, Paulo Pires do Vale, recordou que o Plano foi criado em 2019 numa iniciativa conjunta dos Ministérios da Educação e da Cultura, com o objetivo de aproximar as escolas da arte, da cultura e do património.

“Estamos na fronteira entre a cultura e a educação e as escolas”, afirmou observando que o plano pretende demonstrar que “o património é uma ferramenta de educação muito importante”, como referiu após a visita à Casa Memória da EN2, que considerou um bom exemplo do património ao serviço da educação.

Na receção à comitiva, o presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel, Vitor Guerreiro, sublinhou a participação de São Brás de Alportel neste plano, cuja missão “está em sintonia com a estratégia educativa e cultural do Município.”, “é aliás um privilégio somar estes desafios ao quotidiano das nossas escolas”, referiu o autarca.

“É com muito prazer que desenvolvemos trabalho na área do desenvolvimento humano que também se faz muito através das artes”, referiu a diretora do Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas, Nídia Amaro que deu a conhecer à comitiva uma mostra de trabalhos e projetos realizados pelos alunos do agrupamento.