Portugal dá os primeiros passos na construção do Plano de Ação do Envelhecimento Ativo e Saudável

O envelhecimento deverá atingir 1 em cada 5 indivíduos no mundo em 2030 e 1 em cada 4 em 2050. Mas será que viver mais anos significa viver com qualidade de vida? Estarão os países preparados para dar resposta a uma vida mais longa, que se quer saudável?

Portugal, de acordo com dados da ONU de 2019, apresenta o 4º maior ratio de dependência associada à população envelhecida: 39%. Um número que se estima subir para 71% em 2050. Quanto ao número de anos de vida saudável após os 65, Portugal está abaixo da média europeia. Se na Europa, em média, os homens têm uma vida saudável até aos 73,4 anos e as mulheres até aos 73,2 anos, em Portugal estes números são de 71,6 anos e de 70,4 anos, respetivamente. Já na Dinamarca, pelo contrário, os homens têm uma vida saudável até aos 78 anos e as mulheres até aos 79.

Para responder a este desafio, Portugal está a desenvolver um Plano de Ação do Envelhecimento Ativo e Saudável que se vai concretizar num conjunto de medidas a adotar na próxima década e que visam aumentar o número de anos com qualidade de vida da população portuguesa. Nesse sentido, decorre, nos próximos dias 16 e 17 de maio, a primeira reunião que junta os 4 Centros de Referência do Envelhecimento Ativo e Saudável do país: Porto4Ageing, Ageing@Coimbra, Lisboa AHA e Algarve Active Ageing. 

O encontro decorre em Vilamoura e abordará temáticas como a transformação digital, saúde e bem-estar, estratégias de emprego e reformas para uma população a envelhecer, adaptação de apoios sociais, relacionamento intergeracional, adaptação das habitações ou acessibilidades e transportes. As conclusões da reunião são apresentadas na segunda-feira, dia 17, pelas 9horas, à Ministra do Trabalho Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, no Hotel Dom Pedro, em Vilamoura.

O encontro é organizado pelo Algarve Biomedical Center (ABC), que integra o Algarve Active Ageing. A escolha de Vilamoura prende-se com o facto de ser a cidade que vai ver nascer o ABC Loulé Active Life. Um projeto de 21 milhões de euros do qual vai fazer parte o Centro de Apoio ao Envelhecimento Ativo e Qualidade de Vida.

De salientar que foram aprovadas, no âmbito da Presidência Portuguesa da União Europeia, as conclusões sobre a inclusão do envelhecimento nas políticas públicas dos Estados-membros da União Europeia, tendo também terminado a consulta pública do Livro Verde sobre o Envelhecimento da Comissão Europeia.