Escultura num miradouro da Vila da Luz homenageia jovem atleta falecido em 2019

Foi ontem instalada, num miradouro da Vila da Luz, a escultura em pedra, da autoria da artista lacobrigense Rita Pereira, iniciativa que constitui uma homenagem a Matthias Sandeck, jovem atleta algarvio falecido em competição em 2019.

Matthias Sandeck , que tinha dupla nacionalidade (portuguesa e alemã) e residia no concelho de Lagos desde os cinco meses de idade, integrava a Seleção Nacional de Pesca Submarina, tendo falecido quando participava no XXXII Campeonato Euro-Africano na Dinamarca. Um grave acidente ocorrido ao segundo dia de competição, no dia 8 de setembro de 2019, viria a provocar a morte deste jovem atleta, uma partida prematura que abalou profundamente amigos e família.

A escultura em pedra calcária, feita em sua homenagem e doada ao município, representa, conforme explica a sua criadora, “a descida ao fundo do mar, uma dança entre a vida e a morte”. Os dois elementos no topo da escultura representam as barbatanas num movimento congelado e eternizado. Onde o existir e o deixar de existir se encontram, coexistindo aqui e fazendo parte do mesmo universo”. A peça foi instalada no miradouro da “Prainha” (junto à rampa dos pescadores) na Praia e Vila da Luz, tendo igualmente como objetivo a qualificação do espaço público.

A instalação foi acompanhada por familiares e pelo grupo de amigos próximos de Matthias Sandeck que fizeram questão de testemunhar o momento.

Sobre a autora:

Rita Pereira, mais conhecida por “RoMP” (Rita os meus Pés), é licenciada em Design de Equipamento pela FBAUL e Mestre em Design de Produto pela ASAD.CR. Realizou trabalhos em parceria com o Studio Astolfi, onde criou objetos em pedra para a montra da loja Hermès Lisboa. Desenhou mobiliário para a nova marca MANTA, apresentada durante a Maison et Objet Paris, em 2017. Em 2018 participou como escultora no 5.º Simposio Internazional di Scultura di Vitulano (Itália), o seu primeiro simpósio onde realizou a escultura intitulada de “Aparição”. Em 2019 realizou a sua primeira escultura pública, inserida no projeto Lugares de Globalização, exposta na vila de Monchique com o título “Árvore Monumental”. É artista residente do LAC – Laboratório de Artes Criativas, em Lagos.