Roteiro da água no Algarve destaca reforço do abastecimento e melhoria do saneamento

O Ministro do Ambiente e da Ação Climática e a Secretária de Estado do Ambiente participaram hoje num roteiro dedicado à água no Algarve, promovido pela Águas do Algarve, gestora do Sistema Multimunicipal de Abastecimento de Água e de Saneamento do Algarve, onde se destacam alguns dos projetos de reforço da resiliência do abastecimento de água e dos serviços de tratamento de águas residuais da região.

O roteiro iniciou-se junto à barragem de Odeleite, em Castro Marim, onde se apresenta o projeto de aproveitamento do volume morto desta albufeira que visa um adicional de aproximadamente 25% do caudal necessário para assegurar os consumos, envolvendo um investimento de 1,5 milhões de euros.

Neste âmbito, está a ser projetada a instalação de um sistema elevatório destinado a viabilizar a máxima transferência do volume de água armazenado na albufeira de Odeleite para a albufeira de Beliche para permitir fazer face a situações de seca prolongada e contribuir para manter o abastecimento de água, quer urbano quer de rega.

Ainda em Castro Marim, foi apresentado o projeto relativo às “Infraestruturas de Elevação e Adução de ApR – Água para Reutilização da ETAR de Vila Real de Santo António – Fase I”, destinado a permitir a utilização de águas residuais tratadas na rega dos campos de golfe existentes na zona norte deste concelho, visando contribuir para assegurar o equilíbrio entre a procura e a escassez de água e promovendo a resiliência à seca, tendo por base os cenários de alterações climáticas.  

Esta obra tem um investimento associado de cerca de 1,5 milhões de euros, a iniciar em setembro de 2021 e com prazo de conclusão de 300 dias, e vai permitir substituir a utilização anual de cerca de um milhão de metros cúbicos de água superficial por ApR, contribuindo assim para uma melhor gestão de recursos hídricos no Algarve, região que vem sendo cada vez mais impactada pela escassez de água. 

A capacidade instalada na ETAR de Vila Real de Santo António permitirá, futuramente, considerar a disponibilização de ApR para rega de campos de golfe que surjam na zona, para rega agrícola ou mesmo para uso urbano na lavagem de arruamentos e rega de espaços verdes. 

Foi ainda destacado o sistema de secagem solar de lamas a construir na ETAR de Vila Real de Santo António, que vai permitir obter uma melhor qualidade das lamas produzidas nesta instalação, designadamente com redução do volume, peso e número de transportes necessário para envio a destino final.

Beneficiando das condições climatéricas da região do Algarve, nomeadamente o elevado número de dias de sol, este sistema de secagem solar envolve a construção de uma estufa com capacidade para processar cerca de 4.000 ton/ano de lamas desidratadas e vem complementar a fase sólida do sistema de tratamento da ETAR, estimando-se que a empreitada, envolvendo um investimento de cerca de 2,2 milhões de euros, tenha início no terceiro trimestre de 2021. 

Promover a qualidade ambiental da ria Formosa

Do roteiro fez ainda parte a inauguração de duas estações elevatórias de águas residuais (EEAR) – EEAR de Ferragial em Faro e EEAR do Mercado em Olhão -, infraestruturas integradas no Sistema Multimunicipal de Saneamento do Algarve, designadamente nos subsistemas que afluem à nova ETAR de Faro-Olhão.

Estas duas instalações fazem parte do lote de sete EEAR incluídas na Empreitada de Reabilitação das Estações Elevatórias de Águas Residuais (EEAR) de Faro e de Olhão, iniciada em setembro de 2018 e concluída no final de 2020, totalizando um investimento de 4,4 milhões de euros, dos quais 770 mil euros respeitantes à EEAR do Ferragial – Faro e 660 mil euros respeitantes à EEAR do Mercado – Olhão.

Considerando a construção da nova ETAR Intermunicipal de Faro-Olhão, inaugurada no final de 2018, e a reabilitação das sete EEAR nestes municípios, o investimento da Águas do Algarve atingiu cerca de 22 milhões de euros, com financiamento do Fundo de Coesão, no âmbito do Programa Operacional Temático Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).  

A entrada em funcionamento da ETAR de Faro-Olhão e as respetivas ligações das EEAR permitiram desativar os anteriores sistemas de tratamento assentando em sistemas de lagunagem que se revelavam desadequados face aos níveis de qualidade exigidos para o efluente tratado a descarregar no meio recetor, nomeadamente a Ria Formosa.

No que respeita às EEAR de Ferragial – Faro e do Mercado – Olhão, atendendo a que as referidas infraestruturas estão integradas num espaço público de grande movimento nas cidades, além do aumento significativo da capacidade instalada e da sua fiabilidade, há ainda a destacar os impactos positivos na envolvente, nomeadamente ao nível visual e de minimização de odores.

Mais eficiência no tratamento de água na ETA de Alcantarilha

O roteiro da água no Algarve terminou com a inauguração do edifício de flotação da Estação de Tratamento de Água (ETA) de Alcantarilha, em Silves, cuja entrada em operação vai permitir robustecer o tratamento de água para abastecimento na zona do barlavento algarvio.

A ETA de Alcantarilha é alimentada, desde 2012, com água superficial proveniente da albufeira de Odelouca e, ainda, com água subterrânea, captada nos furos de Vale da Vila e de Benaciate, tendo uma capacidade máxima de produção de 259.200 m3/dia, servindo uma população de 620.000 habitantes

Esta ETA entrou em funcionamento no final de 1999, tendo sido alvo de algumas melhorias em 2005, nomeadamente intervenções no edifício dos reagentes, um novo decantador de água da lavagem dos filtros, entre outras obras. 

Passados estes anos, tornou-se evidente a necessidade de melhorar a eficiência dos decantadores, nomeadamente tendo em consideração as características da água bruta captada na albufeira de Odelouca (água agressiva, com baixa mineralização, turvação e dureza cálcica e presença de cor solúvel). 

O novo edifício hoje inaugurado integra um processo de tratamento robusto, com base numa solução de Flotação de Alta Carga que apresenta uma elevada eficiência de tratamento da água, com produção de lamas permitindo a desidratação direta, e dispensando qualquer etapa complementar de espessamento, e com economia de reagentes.

O edifício de Flotação integra a empreitada de “Beneficiações da ETA da Alcantarilha”, cujo investimento representa cerca de 5 milhões de euros cofinanciado pelo POSEUR.